Mosteiro da Santa Cruz

Mosteiro beneditino tradicional em Nova Friburgo/RJ

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 33

30 de setembro de 2017

Vox túrturis audita est in terra nostra”

(Cant. II, 12)

 

Resistência II


A- Qual a origem da palavra Resistência?

B- Ela vem do latim “resistere”, que significa estar firme, resistir, opor-se.

A- Ela se encontra na Sagrada Escritura?

B- Sim.

A- Poderia citar-nos alguma passagem?

B- São Pedro, na sua 1ª Epístola, escreve: “ Sede sóbrios e vigiai, porque o demônio, vosso adversário, anda ao redor de vós, como um leão que ruge, procurando a quem devorar: resisti-lhe, fortes na fé.” ( I Pd V, 8 e 9)

São Paulo, por sua vez, resistiu também ao próprio São Pedro, por causa do perigo que São Pedro fazia correr à fé por sua conduta em Antioquia. “Mas, tendo vindo Cefas a Antioquia, resisti-lhe em face, porque merecia repreensão.” (Gál. II, 11)

A- Santo Tomás diz algo a esse respeito?

B- Sim: “Onde há iminente perigo para a fé, escreve ele, os superiores devem ser corrigidos pelos seus inferiores mesmo publicamente.” (IIª, IIª q. 33, a. 4 ad 2um). Em outras palavras, os inferiores devem resistir aos superiores como São Paulo resistiu a São Pedro por causa do perigo que corria a fé. Santo Tomás, no artigo citado, explica a atitude de São Paulo assim como a de São Pedro, que aceitou a repreensão, dando, desta forma, um exemplo de humildade para os superiores.

A- Dom Lefebvre utilizou o termo resistência ou resistente?

B- Sim: Nós o encontramos em seus livros e em suas cartas.

A- Poderia citar-nos alguma passagem?

B- “Dom Gérard usa de todos os argumentos para adormecer os resistentes.” Escreve ele numa carta de 18 de agosto de 1988.

E ainda, na mesma carta:

“Ele (Dom Gérard) nos acusa de ‘resistencialistas’.”

A- O que é reprovado em Dom Fellay?.

B- O fato de ele não levar em conta estas palavras de seu fundador:

“É um estrito dever, para todo padre que quer permanecer católico, separar-se dessa Igreja Conciliar, enquanto ela não reencontrar a tradição do Magistério da Igreja e da fé católica. (A Vida Espiritual – pág. 31)

A- Quais as consequências dessa não separação de Dom Fellay em relação à Igreja Conciliar?

B- Dom Fellay se contamina e contamina pouco a pouco toda a Fraternidade e as comunidades amigas.

A- De que contaminação se trata?

B- Do liberalismo neomodernista e neoprotestante da Igreja conciliar. O contato com as autoridades romanas atuais e com os padres progressistas conduz a esta contaminação, que será tanto maior agora, que os padres progressistas podem fazer casamento de fiéis da Tradição.

A- Que atitude deve tomar-se diante de Roma e de Dom Fellay?

B- A resistência, ou seja, uma atitude de oposição pública ao que traz detrimento para a fé (ver artigo de Arsenius, Voz de Fátima Voz de nº 32).

A- Não há perigo de cisma nessa atitude?

B- Quem corre perigo de cisma são os próprios liberais modernistas, que se separam da Tradição da Igreja.

A- Mas não há perigo de cisma na Resistência?

B- A posição da Resistência não encerra nenhum perigo de cisma se ela se mantiver fiel à linha de conduta de Dom Lefebvre e de Dom Antônio de Castro Mayer.

A- E os sedevacantistas?

B- A Resistência não é sedevacantista e nem todo sedevacantista ou simpatizante do sedevacantismo é cismático, embora o sedevacantismo seja uma tendência perigosa, contra a qual Dom Lefebvre alertou os padres e os fiéis.

 

+ Tomás de Aquino OSB

 

U.I.O.G.D.

AtualidadesFátimaTextos

Arsenius • 30 de setembro de 2017


Previous Post

Next Post

Translate »