Mosteiro da Santa Cruz

Mosteiro beneditino tradicional em Nova Friburgo/RJ

Aleluia!

(Retirado do livro Año Sacro – Tomo Primero, Pág. 247, por Dom Félix Sardá y Salvany)

 

Uma palavra existe há vinte séculos nos lábios da Igreja de Deus; uma palavra que continuará saindo deles sem interrupção até a consumação dos tempos. Esta palavra é a que compreende em certo modo toda a festa da Pascoa: Aleluia!

Aleluia cantou enquanto seus filhos expiravam um por um, destroçados pelas feras nos circos romanos, ou entregavam sua cabeça à lâmina dos verdugos.

Oprimida, dizimada, jorrando sangue por todos os seus membros, frente a frente com um mundo poderoso que se empenhava em destroça-la em um espetáculo horripilante de ferocidade, durante três séculos de desigual combate mostrou sempre nos olhos a luz da esperança, nos lábios o sorriso da mansidão e nunca cessou de repetir o aleluia gozoso que ainda hoje repete ao mundo do século XX. [1]

Esse aleluia é um cântico de vitória. Que secreto poder é, pois, o desta instituição, que confessando-se oprimida, velada e destroçada, tem, não obstante, valor e serenidade suficientes para desafiar seus verdugos com tais alardes? Resposta simples. Tem o secreto poder que Deus tem dado, em todos tempos, à verdade e ao bem; de serem aparentemente vencidos sempre em sua luta constante contra o erro e o mal, e serem realmente sempre vencedores nesta mesma espantosa luta. E como a Igreja, depois de Deus, ou melhor, como Deus mesmo, é a personificação mais completa da verdade e do bem sobre a terra, daí que a Igreja seja também em aparência eternamente vencida em suas lutas com o mundo, mas em realidade eternamente vencedora. Pelo primeiro geme e gemerá perpetuamente. Pelo segundo exclamará sempre nos âmbitos do globo o festivo e triunfal aleluia.

− Contradição! − exclamará alguém.

− Não contradição, meu caro, não contradição, senão mistério, mas mistério mais claro que a luz do dia. Mistério que tem em seu favor por testemunha todos os capítulos da História. Mistério que é a desesperação do inferno, condenado a crucificar, matar e sepultar continuamente a Igreja, sem conseguir jamais destruí-la. Mistério de consolo para todo católico que se sinta alguma vez oprimido pelo abatimento ante a rude perseguição que por todas as partes nos ataca.

Nossa Paixão é perpétua. Mas é também perpétua nossa Ressureição. Há uma mão infernal que empurra com força a nave para submergi-la, porém há outra mão divina que a sustém constantemente à tona. É verdade ou não?

Desde que um grupo de pobres fariseus se entreteve em fechar completamente com os selos públicos as frestas do sepulcro do Salvador, de onde haveria de sair a corrente de verdade a inundar as cincos partes do mundo; desde aquele memorável dia em que colocaram guardas de vigilância à porta do sepulcro para impedir que os discípulos roubassem o corpo daquele enganador, quantas vezes imaginou o mundo acabar rápido, muito rápido com a obra do Crucificado? E quantas e quantas outras vezes um enérgico aleluia tem vindo demonstrar-lhe que o que ele cria morto e sepultado andava todavia cheio de vida, radiante como sempre de glória e majestade?

Aleluia! Aleluia! Deixai-me repetir até cem vezes esta palavra, recordação de nossas vitórias de ontem e penhor de nossas vitórias de amanhã e sempre! Aleluia! Aleluia! Como enche o coração, como o alarga, e o abre e desafoga esta gloriosa palavra! Concebo a imensidão das alegrias do céu. Que será a alegria do céu, senão a alegria de um aleluia sem fim?

Lutar! E que importa lutar quando é segura a vitória? Padecer! E que importa padecer quando o triunfo é infalível? Morrer! E que vale morrer, quando há a segurança de uma eterna ressureição?

Dizei-me: porque foi combatida sempre a Igreja de Deus? Claro está: porque nunca foi vencida. Se o inferno teve necessidade de renovar tantas vezes o ataque, é sem dúvida, porque os anteriores saíram infrutuosos. Não a combateria hoje se a houvesse vencido no combate de ontem, nem a combateria a três séculos se a houvesse vencido a dezoito séculos. Pois bem, a combaterá do mesmo modo até o juízo final, porque nem então será alcançada todavia a vitória que tantas vezes fora prometida. Eis aqui o mistério desta Igreja sempre vencida e sempre vencedora. Ambas as coisas são verdade. Porém seu vencimento não deixa de ser passageiro e parcial, e sua vitória é o que resplandece no conjunto.

Aleluia! Aleluia! Que brade o inferno! Aleluia! Que maquinem os poderes da terra! Aleluia! Que burlem dos nossos exageros os fariseus! Aleluia! Que triunfe a iniquidade, que nos abata, que nos oprima, que nos confunda, que incendeiem e destruam nossos templos, que degolem e despedacem nossos corpos, e saciem de fel e de opróbrio nossas almas! Aleluia e sempre aleluia!

Nossa existência sobre o mundo tem dois aspectos diversos, ambos profundamente verdadeiros. É Paixão contínua e é Páscoa eterna. De um lado o eclipse, as trevas e as agonias da Sexta-feira Santa; de outro os resplendores magníficos e a feliz alvorada do dia de Páscoa.

Bendita madrugada! Aurora ditosíssima que com teus tímidos fulgores iluminastes a majestade da nossa primeira vitória! Hora matinal em cujo solene e misterioso silêncio ressoou o primeiro aleluia cantado pelos Anjos do céu! Pálidas estrelas cuja duvidosa claridade presenciaram a primeira vergonha de nossos inimigos! Que nunca cesse de trazer a memória à nossas almas, tão necessitada de vossos consolos! Que nunca cesse de nos alentar a vossa recordação nas tristes horas de tributação! Que se conserve sempre vivo e radiante, como o frescor de uma primavera eterna, no coração dos povos, para lhes ensinar a esperar sempre, a sempre esperar e nunca fraquejar!

[1] Este texto foi escrito por Dom Sardá y Salvany no século passado.

EspiritualidadeTextos

admin • 24 de maio de 2019


Previous Post

Translate »